quarta-feira, 9 de maio de 2012

Demonia Entrevista...e Raven diz...





 
Rosana Raven nasceu em São Paulo e desde cedo adentrou no mundo da arte ilustrativa por influência direta de sua mãe. Rosana contribuiu para diversos fanzines brasileiros, em parceria com Ivandro Godoy, utilizando a alcunha de R.Raven. Também ajudou a formar tanto o zine Vrolok, quanto o informativo de cultura pagã Odal de Belenos. Em trabalhos solo, Raven produziu o zine Tombstories e ilustrou algumas páginas nos zines Tom Zine e Sombrias Escrituras. Juntos, Rosana Raven e Ivandro Godoy acumularam quadrinhos e livros por quase 10 anos, formando assim a Gibiteca Ravens House, uma espécie de recanto cultural onde os desenhistas iniciantes e gibimaníacos podem pesquisar e ler centenas de exemplares de revistas e livros, muitos destes raros ou já fora de catálogo.
Além de ilustradora, contista, artista plástica, Rosana Raven também é ativista ecológica e apaixonada por gatos. E presenteou o blog She Demons Zine e nossos leitores com uma linda arte da personagem símbolo do blog: Demonia.
Prestigie a arte e conheça um pouco mais sobre essa interessantíssima artista na entrevista abaixo:

Demonia por Rosana Raven


Como e quando foi o seu primeiro contato com a arte em geral? Sua família te incentivou ou influenciou de alguma maneira?
Minha mãe desenhava muito bem, ela me dava uma folha e eu copiava os esboços que ela fazia até tomar gosto pela coisa. Tem muito do traço dela nos meus desenhos.

Como era a Rosana Raven na infância (brincadeiras favoritas, vínculos famíliares, amizades)?
Era praticamente um menino (risos). Adorava brincadeiras de moleque e nada de bonecas e coisas fofinhas pra mim. Curtia mesmo era soltar pipas, jogar bolinhas de gude e ralar os joelhos nos tombos de Skate. Inclusive costumava chocar minhas primas (minhas únicas amigas) que colecionavam papéis de carta enquanto eu colecionava recortes do jornal Notícias Populares e revistas do Conan, o qual sou fã incondicional até hoje.



E na escola, curtia as aulas de artes? Era boa aluna? Aliás, dê a sua opinião sobre o ensino de artes nas escolas, o quanto as aulas do ensino fundamental contribuem ou não para o desenvolvimento pessoal e processo de descobrimento e criatividade nas crianças.
Na escola as aulas de arte eram as minhas favoritas. Muitas vezes chegava a ganhar pontos negativos por desenhar para os amigos, pois ninguém na sala sabia desenhar além de mim.
Infelizmente as regras nas escolas não mudaram muita coisa. As técnicas de ensino nas aulas de arte continuam as mesmas da minha época; recorte, colagem etc. A única diferença de hoje em dia é que a escola dá o material, os livros, mas falta interesse tanto dos alunos quanto dos professores para explicarem o real significado da arte.






Filmes de terror: qual seu primeiro contato com esse gênero? Quando surgiu interesse pelo “macabro”? Na sua infância, você teve contato com outras formas de terror, como por exemplo histórias, lendas, etc?
Sobre os filmes aprendi a gostar dos clássicos da Hammer por intermédio da minha mãe (que insistia a ficar, entre gritos, “ajudando” a mocinha a fugir dos monstros no filme). Ela adorava Christopher Lee e Jack Palance. Esse meu fascínio pelo macabro veio das estórias contadas pela minha avó ao redor do fogão de lenha. Ela tinha um dom tão grande de nos fazer interagir na estória que parecia que estávamos realmente vendo e ouvindo algo lá fora, no escuro!

Quais seus filmes, atores e diretores preferidos? Curte algum outro gênero, fora o terror/suspense?
São tantos que para simplificar vou colocar apenas 5 de cada categoria:
Filmes: IT, Uma Obra Prima do Horror (1990), Re-Animator (1985), Noroi: The Curse (2005), The Gravedancers (2006), Masters of Horror: The Black Cat (2007).
Atores: Peter Cushing, Jeffrey Combs, Bruce Campbell, Corey Feldman, Helena Bonhan Carter.
Diretores: Stuart Gordon, George Romero, José Mojica Marins , Tim Burton, Guillermo Del Toro.
Curto muito documentários históricos e filmes fantásticos como “Labyrinth” (de 1986 e estrelado por David Bowie) e demais trabalhos de Jim Henson.


O seu visual lembra muito Morticia Addams, Elvira, Vampira... De que forma essas musas das trevas influenciam a sua vida pessoal e a sua arte?
Acho que as Scream Queens simbolizam a liberdade total da mulher e nada mais justo do que caracterizá-las como “monstros”, pois uma mulher que sabe o que quer é vista como um monstro pela sociedade patriarcal. Aprecio muito a liberdade e ter a influência desses ícones é mais que uma honra, é um dever para toda mulher que quer ser livre de amarras e condições.







O que você costumava ler quando criança? E agora, quais são os livros que Rosana Raven lê e recomenda?  Você se inspira ou se identifica com algum escritor em especial?
Comecei lendo muito quadrinhos e a série coleção Vagalume foi que me abriu a vontade de explorar outros títulos literários. Hoje entre os meus livros de cabeceira estão EdgarAllan Poe, Charles Baudelaire, William Blake, Clive Barker, Sade e Lautrèamont, mas o meu xodó é (e sempre será) o meu caipira preferido do Maine, Stephen King.
Quero ressaltar também que aprecio bastante a literatura fantástica nacional e o Brasil está produzindo representantes muito bons no gênero como Alfer Medeiros, M.D. Amado, AndréBozzetto Jr., Adriano Siqueira entre tantos outros que mostram que nosso país também pode produzir obras do gênero com competência e qualidade.









Em que época surgiu essa sua paixão por poesias. Qual a poesia, de sua autoria, que você mais gosta, que mais expressa seus sentimentos?
Começou quando editávamos um fanzine chamado As Flores do Lado de Cima (1997) e que virou um e-zine nos tempos recentes. O fanzine original era dividido em dua partes – Tártaro e Elísios – e nele apresentei um pouco do que me inspirou os escritos de Milton, Blake e a Divina Comédia de Dante. Até hoje sinto vontade de relançá-lo em papel, mas ainda é só um projeto. Abaixo deixo um esboço do que apresentei neste antigo trabalho:
 
DEVANEIOS

Sou a chama que queima em seu pensamento

A árvore que balança com o sopro do vento.

Sou a arte que brinca em seus dedos

Sou o ardor que corrompe seu ser
Sou o pesadelo que te persegue em seus sonhos
E cada segundo quando pensa em morrer

Sou o desejo que eleva seu membro viril.

Sou o seu devaneio do mais belo ao mais hostil

Na escuridão sou a bruma que lhe envolve

Sou o ódio seu alimento pela vida
Sou o sangue seu alimento após a Morte...



Na sua arte gráfica quais são as técnicas e programas utilizados? Tem algum programa preferido?
Utilizo o Photoshop, Photoscape, Photofiltre Studio entre outras ferramentas, mas acredito que boa parte da boa aceitação que tive dos meus trabalhos e é que eu crio meus próprios brushes (pincéis). Desta forma, posso deixar minhas criações mais originais e distantes de qualquer plágio.


Ainda sobre arte gráfica, como surgem as idéias para seus trabalhos? Em que você costuma se inspirar?
Tanto no desenho na pintura quanto nas artes gráficas me inspiro muito na literatura, em principal a obscura. As idéias vem o tempo todo então passo para o papel e daí para o formato digital.





Em várias obras gráficas, podemos perceber a Rosana Raven retratada. Isso é consciente? Você, assim como a pintora Frida Kahlo e até mesmo Monica Cook, prefere trabalhar com a própria imagem?
Acho que na arte todos acabam se auto-inspirando. Vide Stephen King que retrata em seus protagonistas um pouco do que aconteceu no decorrer de sua própria carreira (dificuldades financeiras, problemas com drogas e álcool etc). No meu caso exploro muito a minha imagem por estar mais “a mão”, pois hoje em dia com esse papo de direitos autorais procuro fugir de problemas relacionados ao uso indevido de imagens alheias... aí me uso de cobaia (risos).










Quais seus artistas plásticos preferidos?
Victória Francés, H.R.Giger, Dorian Cleavenger, Roman Dirge, Toon Heltz, Briam Froud, Ray Caezar, Shain Erin, Erik Muller Thurm, Zoe Lacchei entre vários outros nomes que dariam outra entrevista se fossem colocados aqui.


Quais são os fanzines que você faz parte atualmente? E fale também um pouco sobre todos os fanzines que você de alguma forma contribuiu.
Como e quando você conheceu o seu parceiro artístico Ivandro Godoy?
Atualmente só edito o e-zine Flores do Lado de Cima que está no número 17. Desde antes do advento da internet Ivandro Godoy e eu já lançavamos e contribuíamos para vários fanzines como Vrolok, FangZine, Vita Sub Tenebras, O Corvo, Sombrias Escrituras, Juvenatrix e Dragulum entre tantos outros.
É incrível como a galera ainda hoje tem uma adoração pela arte do fanzine. Recentemente participei de uma exposição de fanzines (1° Ano da Fanzinada, idealizada pela amiga Thina Curtis) e a quantidade de pessoas que ainda se maravilham ao ver uma edição dos anos 80/90 é surpreendente!
 


 












Como surgiu a idéia de fundar a Ravens House Brasil e o que visa esse grupo?
A Ravens House Brasil iniciou-se no ramo de divulgação alternativa via web a apenas 5 anos atrás. Desde então foram blogs, fotologs, eventos e contribuições para as mais diversas páginas sobre os mais diversos assuntos. Muitos membros chegaram na mesma velocidade que outros saíram, mas o grupo sempre se manteve forte e ativo em seu propósito: divulgar e esclarecer.
A origem do nome é bem antiga (risos). No final dos anos 90 tínhamos o costume de reunir vários amigos para beber e conversar. Com o tempo minha casa acabou virando um ponto de encontro de várias pessoas com ideal em comum: produzir seu próprio material. Nos fins de semana a “Casa da Raven” tornou-se um local onde todos se reuniam seja para escrever, desenhar, trocar idéias em volta da fogueira e até fazer trilhas na mata local. Atualmente estamos focando mais a difusão da arte marginal seja ela musical, literária ou cinematográfica divulgando eventos nos sites/blogs e também participando pessoalmente dos próprios.
Normalmente escutamos a frase “Isto dá dinheiro?”. Mas a nossa resposta é mecânica: “Não. Não dá, mas a satisfação de fazer algo pelo que gostamos não existe dinheiro que pague!”.

 
 









 
Rosana Raven e Ivandro Godoy



Como você vê o incentivo por parte de órgãos públicos e o interesse da população pela arte em geral nesse momento no Brasil?
Os órgãos públicos atualmente estão apresentando uma variedade maior de produções do gênero fantástico do que há uns anos atrás, incentivando eventos voltados para literatura e cinema fantástico. Cabe a nós agora, fãs e profissionais do gênero, reconhecermos este esforço e contribuirmos com massa física nesses eventos, pois os eventos só vão existir enquanto houverem entusiastas.


Estilo musical, bandas preferidas, músicas... O que Rosana Raven curte?
Aprecio muito o estilo oitentista além dos gêneros Pagan Folk, Gothic Metal, Dark Wave, Doom, Dark Ambient, e até New Age quando estou com humor “de fadinha” (risos).


Você costuma ouvir música enquanto está criando algo ou a inspiração acontece mais fácil no silêncio absoluto?
Música sempre!Alguns gêneros musicais conseguem te transportar para o ambiente que está sendo criado.


Como é o seu dia-a-dia? O que gosta de fazer nos momentos de lazer?
Como todo artista marginal brasileiro eu ralo todo dia. Quando chego em casa curto bastante a “aborrescência” dos meus filhos e meus momentos de lazer são divididos entre cuidar dos meus gatos e conversar com  minhas plantas.

Gosta de animais de estimação?
Amo incondicionalmente. Principalmente os gatos que são meus fiéis companheiros.

Como é a sua relação com os animais e a natureza?
Como ativista em prol dos animais e da natureza, vivo em constante atrito com a urbanização desregrada do meu bairro, que possui um pedaço da Mata Atlântica. Os problemas vêm desde invasões à vigílias noturnas de evangélicos que insistem em desmatar grandes extensões de mata para suas “reuniões de fé”.




Algum dia você já pensou em se tornar vegetariana?
Sou semi-vegetariana, pode-se dizer. Não tenho costume de comer carne vermelha em excesso por causa de problemas estomacais, mas não tenho nada contra os vegetarianos. Ultimamente tenho tido uma dieta de produtos a base de soja e carne branca que estão me fazendo bem.



Você gosta de cozinhar? Quais seus pratos preferidos?
Detesto cozinhar. Os pratos salgados nunca foi meu forte então deixo essa árdua tarefa para o Gore Godoy (risos), mas faço um pudim de leite condensado fantástico! Sobre o meu prato preferido acho que é Yakisoba, mas embora aqui em casa todos reclamarem (tipo “Sopa? Isso é comida de velho!”) eu sou super fã de sopas.


Uma cena de filme que te marcou de alguma forma.
A Carol Anne Freeling (interpretada por Heather O'Rourke) na frente da TV no filme Poltergeist (1982). Nunca mais consegui ver uma TV chiando de uma maneira comum.


Uma cena de filme que te deu muito tesão.
A "tal" cena. Hummm
Hmmmm, boa pergunta. Talvez a parte em que Nancy está na banheira e a mão do Freddy Krueger aparece entre suas pernas no primeiro The Nigthmare on Elm Street. Não me pergunte porquê, heheheheh...



A Scream Queen que você mais curte.
A eterna Maila Nurmi .


Sua Femme Fatale preferida.
A enigmática Theda Bara.



Já experimentou ou tem curiosidade em se relacionar sexual ou afetivamente com uma outra mulher?
Acho que não tenho restrições quanto a isto. Costumo dizer que o dia que encontrar alguém exatamente parecida comigo (físico e espiritualmente) largo meu marido e fujo com ela.
Agora falando sério acho que o corpo é uma maquina carente de experiências. Se as oportunidades aparecem e são boas elas ficam, caso contrário servirão como um aprendizado.


O que uma pessoa precisa para te conquistar? Quais as características que mais lhe agradam e impressionam?
Acho que compatibilidade. Quanto às pessoas, sigo muito aquele lema “Não julgue o livro pela capa” e procuro nas pessoas que me relaciono um teor mais cultural do que físico.




Na cama, você curte brincadeirinhas sexuais, tipo sadomasoquismo, bondage, sangue e outros líquidos, acessórios...?
Costumo fantasiar muito. Isso tira a rotina do eterno “papai-e-mamãe”. Quanto aos acessórios prefiro lingeries ousadas, corsets e salto agulha. É evidente que tenho que tomar um devido cuidado para não furar um olho ou outras partes do corpo na hora da empolgação (risos).

Algumas fantasias já realizadas e o que ainda falta realizar.
Hunm, algumas já realizei e muitas outras ainda estão por vir. Tenho uma imaginação hiper fértil.


O que te broxa no sexo?
Cheiro de cigarro e insistência em sexo anal que não curto!


Uma boa trepada...
De madrugada no quintal ou de manhã no chuveiro. Ou ambas.


Como foi a sua educação nesse aspecto, sua família foi mais liberal ou foi repressora?
Tive uma educação livre, nessa fase fui meio que autodidata. Nos meus relacionamentos era contida e acho que isso fez o meu caráter.


Em poucas palavras, defina Rosana Raven.
Determinada, teimosa, batalhadora e livre.


Resuma o significado de ARTES na tua vida.
VIDA.


Para encerrar, sinta-se a vontade para dar a sua opinião ou informação que não foi revelada pelas questões anteriores e que considere importante ou simplesmente queira dizer. E, se puder, deixe contato de site/blog ou afins para que os leitores do SHE DEMONS ZINE possam conhecer melhor seu trabalho e entrar em contato.
Adorei a entrevista e agradeço a você e ao Cesar pelo espaço e quero que saiba que estou ao dispor. Desejo muito sucesso em todos os seus projetos e podem contar com o todo o apoio da Ravens House Brasil.
Para aqueles que quiserem conhecer mais sobre meu trabalho conheçam meu site “Raven Wings”, minha página “Obscurarte” no Facebook, a minha coluna “Nigthmare Makers” no Gore Boulevard e nosso trabalho no site da Ravens House Brasil.

Beijo da Raven.



Um pouco mais...








Postado por: Gisele Ferran
@Gi_de_Gisele



14 comentários:

  1. Parabéns pelo trabalho sensacional...

    ResponderExcluir
  2. A versatilidade de R. Raven e a ousadia do She Demons...uma combinação perfeita!!!
    Parabéns pela matéria.

    ResponderExcluir
  3. Sensacional. Entrevista muito bem feita. Grande Artista.

    ResponderExcluir
  4. Muito bom! A R. Raven é uma amiga de quem eu gosto e admiro bastante. E o blog está ficando cada vez melhor! \o/

    ResponderExcluir
  5. Sensacional...a Raven que mais me atrai. (foge comigo).XD Parabéns pelo blog!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ôpa Lene, demorou...Thelma e Louise na veia...Te Amoooo!!!
      (O Will vai me matar)

      Excluir
  6. Fazia tempo que eu não lia uma entrevista tão boa, seja nas perguntas ou seja nas respostas. Te adoro amiga Rosana.

    ResponderExcluir
  7. realmente ficou muito boa esta entrevista
    a minha esposa e muito boa
    te amo

    ResponderExcluir
  8. muito bom gostei bastante
    Não é o tipo de literatura que curto
    mais como bom leitor gostei
    da matéria ^^

    ResponderExcluir
  9. Excelente entrevista, franca nas respostas, trabalho consistente e sem medo de transcender os tabús!Muito bom! Abs!Lord A:.

    ResponderExcluir
  10. Só quem a conhece sabe o quanto ela é querida.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...