sexta-feira, 29 de novembro de 2013

A Arte do Sexo Anal e o Sexo Anal com Arte


O bom e velho sexo anal ainda é um tabu na vida de muitas pessoas, mas dizem que quem experimenta uma vez sente tanto prazer que não consegue mais parar. Se você ainda não teve esta deliciosa oportunidade de experimentar e está cogitando comer ou dar o cuzinho pela primeira vez, a dica mais importante é que você esteja muito afim e com muito tesão.

O ato de dar ou comer o cu é mais prazeroso pelo fato do cuzinho ser mais apertado que a buceta e, por isso a sensação anal é diferente da sensação de sexo na xoxota. Mas o negócio não é tão simples quanto ir metendo na bucetinha. A melhor maneira para um sexo anal gostoso é você estar com muito tesão e caprichar bastante nas preliminares antes de meter o pau direto no cu. Assim é prazer na certa! Além de masturbar o grelinho e de chupar a xana, perca o pudor e vá fundo na hora de explorar o corpo: meta a língua no cu da garota, chupe gostosa e demoradamente o buraquinho anal dela até deixa-la louca de desejos. Aproveite e prepare o terreno para a sua rola, enfiando os dedos no cu dela, acredite: isso faz toda a diferença! Durante cada sessão de masturbação anal você deve começar devagar e ir adiante: primeiro um dedo, depois dois, e assim por diante (até mesmo a mão inteira, mas cuidado com o relógio de pulso, pois ele pode causar lesões). Quanto mais confortável você ficar, menos tempo isso vai levar, pois o cu vai ficando relaxado e se alargando aos poucos.

Outra dica muito legal é começar a usando alguns brinquedinhos para enfiar no cu da parceira, assim ela irá se acostumando a sentir prazer em ter seu cuzinho preenchido gostosamente. 
CUidado moça!!!
Mas ATENÇÃO: Qualquer brinquedo que será enfiado no cu deve ter uma base alargada, pois é bastante comum acontecer dos objetos se “perderem” pelo cuzinho adentro, causando muitos transtornos e o constrangimento de ir procurar ajuda médica. Por isso use somente produtos específicos para penetração. Evite enfiar embalagem de desodorante, controle de TV, caneta de 10 cores, garrafas muito pequenas, salame, banana, pepino, cenoura, ou coisas do tipo. Prefira os tradicionais consolos.


PERIGO!!!

Lembre-se tudo o que penetra no seu furico deve ser flexível e não muito longo para não machucar (ao menos no início!). Pense num delicioso caralho humano. Mesmo duro, você pode espremê-lo e dobrá-lo um pouco e não tem mais do que 20 cm (a menos que o cara seja um Kid Bengala, mas essa já é outra história). O pau segue regras! E assim deve ser com qualquer coisa que se meta lá no fiofó. Então se não quiser ficar ou ter o cu da companheira todo arregaçado e machucado, prefira meter objetos macios e no tamanho adequado. Evite usar cones de trânsito, guarda chuvas, abacaxis, melancias, tesouras, facões, perna de sofá ou objetos parecidos.




Abaixo um vídeo educativo e musical sobre como o uso de produtos inadequados podem causar problemas e aborrecimentos:







Passada a etapa de ficar masturbando o cu da menina com os dedos e brinquedos sexuais, chega a hora de meter a rola. Ah finalmente você irá comer o tão desejado cuzinho dela! Desde já tenha uma coisa em mente: comunicação é absolutamente fundamental nessa hora para experimentar um sexo anal sem dor. Nós, os seres humanos, podemos começar focando nas metas e, se a garota tiver em sua mente que esta noite é a noite em que um caralho irá penetrar a sua bunda, ela esquece a observação de tensão ou dor. O cu não tem metas além da diversão. Este é objetivo a se ter em mente. 

Essa meta de prazer, combinada com uma comunicação aberta entre os parceiros vai ajudar a treinar o rabinho para relaxar quando tocado e “saber” que, se algo dói, a dor deve ser respeitada. Ligado a isto, um fator que contribui para um bom sexo anal sem dor é a pessoa que é penetrada ter o controle absoluto da situação. Se ela diz para desacelerar, o ritmo deverá diminuir. O mesmo vale para “parar por um minuto até o cuzinho acostumar”, “Eu preciso de mais lubrificante” ou “Ai sim, vai mais rápido, me coma com força! Mete esse pauzão todo dentro do meu cuzinho apertado!”.


Uma coisa extremamente importante que ainda não mencionamos, é o uso de lubrificante. Como sabemos, o cu não fica molhadinho como a buceta e a boca ficam, então você precisa lubrificá-lo para praticar tanto uma masturbação, quanto um sexo anal sem dor. É bom colocar lubrificante nos seus dedos e no cacete e, em seguida, lambuzar a entrada do cuzinho dela.
Se não tiverem lubrificante no momento, sejam criativos e inventem algo estilo “O Último Tango em Paris”. Apenas tomem muito cuidado para não confundirem o vidro de manteiga líquida com o vidro de molho de pimenta, heim! As consequências podem ser terríveis (ou não! Vai que vocês gostem de um sexo mais ardido).


Os especialistas indicam apenas lubrificantes a base de água, mas fodam-se os especialistas! O melhor mesmo é você passar a mão na buceta meladinha e passar esse caldinho da xana para o cuzinho dela, junto com saliva. Arregasse a bunda da garota e cuspa bastante no cu dela, a visão do buraquinho traseiro pronto pra levar uma sapecada de rola vai te deixar ainda mais excitado. Depois disso, é só meter gostoso, você vai ver que o cacete vai escorregar deliciosamente pelo cuzinho adentro. Aí sim pode meter bala. Lembrando sempre de acariciá-la (ou então ela mesmo pode fazer) no grelinho enquanto passa a vara no cu, assim é prazer em dobro!



Você está lá metendo a rola no cu da garota, dando estocadas fortes e violentas, enfiando o pau até as bolas. Mas aí resolve comer a deliciosa buceta dela que a essa altura já está escorrendo de tão molhada. Ótimo! Mas lembre-se de uma coisa: nada pode ir do cu para a buceta. Da bucetinha para o cu, tudo bem, mas nunca ao contrário, a menos que você troque a camisinha (se estiver usando uma, claro. Nós indicamos usar, apesar de ser muito mais gostoso sem). Você pode penetrar o rabo com um preservativo, sair, tirar o preservativo e substituí-lo por outro para comer a xavasca dela.

 Pois as bactérias encontradas no rabinho, quando colocadas na xota, podem causar algumas infecções muito nojentas e desagradáveis. E você não vai querer que a bucetinha deliciosa da sua parceira fique toda infeccionada cheia de perebas, vai? Sempre siga essa regra, não importa o que você já viu em algum filme pornô aleatório. Filmes pornôs não representam a realidade.




E por último, mas não menos importante: tenha em mente que imprevistos podem acontecer. Ninguém está livre disso. Estejam preparados para o famoso “cheque” e até mesmo gazes. Mas para isso existem soluções simples. Para prevenir a possibilidade de deixar a piroca do parceiro toda cagada (ai que broxante para quem não curte scat) o ideal é cagar antes de trepar e depois fazer uma boa higienização no cu. Além disso, é possível fazer uma lavagem por dentro (é o ideal), usando enema, produto vendido em farmácias.
Outra opção é a xuca caseira, introduzindo a mangueira do chuveirinho no cu e deixando a água entrar. Embora os especialistas (ah sempre esses chatos!) não aconselham, eles dizem não ser adequada, pois pode causar danos ao canal anal, essa é a maneira mais popular para limpar o cu por dentro. Já a peidança é mais difícil de evitar. Ela acontece porque durante o ato de trepar a musculatura do cu fica relaxada e com os movimentos de vai e vem pode entrar ar no canal, causando assim alguns sonoros peidos.





Caso aconteça essas situações desagradáveis, não se preocupe, pois apesar de constrangedoras, não são coisas de outro mundo. E se o casal tiver uma boa intimidade vai saber transformar esses pequenos acidentes em momentos engraçados e até mesmo pervertidos!
            
            Boa Diversão e muito prazer para todos!



 


                                                                            Professora e mestra no assunto ANA L. ÉBOM


Lembrando que romantismo é tudo:


quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Britt Ekland - A Predadora!




Nascida em 6 de outubro de 1942 em Estocolmo, Suécia; a linda loirinha de grandes olhos azuis e lábios carnudos resolveu ser atriz na época da escola.



 Fluente em quatro línguas, entrou para um grupo teatral internacional e passou a viajar pela Europa realizando seu sonho. Aos 18 anos estreou no cinema em uma ponta em "Saudades de um Pracinha" (1960), comédia musical com Elvis Presley, filmada na Itália e Alemanha.



Britt especializou-se inicialmente em comédias, no seu país natal, na Itália e Estados Unidos, mas sempre em pontas e papéis menores. Morando em Londres, ela trabalhou também como modelo e foi através de uma foto sua em uma revista que o famoso ator e comediante Petter Sellers a encontrou e a pediu em casamento em 1964!



Seu casamento foi conturbado, Sellers teve um ataque cardíaco pouco tempo depois e Britt se mostrou uma gastadora compulsiva, detonando a fortuna do marido com jóias e roupas caríssimas. Mas ficou ao seu lado enquanto ele esteve doente, tiveram uma filha (Victoria, nascida em 1965) e juntos participaram de 3 comédias: "A Carol for Another Christmas" (TV, 1964), "O Fino da Vigarice" (1966) e "Toureiro sem Sorte" (1967). O casamento acabou em divórcio em 1968. No mesmo ano, fez muito sucesso na comédia picante "Quando o Strip-Tease Começou" de William Friedkin.



Britt continuou sua carreira em filmes para o cinema e TV e sendo motivo para jornais sensacionalistas com notícias de seu alegado furor sexual e apetite por dinheiro!
Com "Asylum" (O Asilo do Terror, 1972) de Roy Ward Baker, ela entrou no cinema fantástico, aonde seria consagrada como Scream Queen e Fêmea Fatal.


 O filme mostra histórias contadas por internos de um hospício, ela participou do episódio "Lucy Comes to Stay". Lucy (Britt) visita sua amiga Barbara (Charlotte Rampling) no asilo e depois que esta tem alta, a garota continua a aparecer e influenciar sua mente...seria Lucy uma imaginação...ou...





Britt foi Greta, no suspense e terror "Endless Night" (Noite Interminável, 1972) de Sydney Gilliat. Baseado em uma novela de Agatha Christie, conta a história de um jovem casal que consegue construir a sua "casa dos sonhos" e logo estão envolvidos em acontecimentos bizarros que parecem mostrar que o lugar seria amaldiçoado.




Britt Ekland esteve linda, sensual e apavorada em "Night Hair Child"/"What the Peeper Saw" (Uma Fresta no Teto, 1972) de James Kelley e Andrea Bianchi. Ela vive Elise, nova esposa de um rico escritor que conhece Marcus (Mark Lester) o filho dele do primeiro casamento.


 O garoto de 12 anos, expulso de um colégio, se mostra inteligente e carente, mas também parece ser um torturador de animais, voyeur e possivelmente um assassino! O título nacional se refere a uma fresta no teto do quarto do casal, por onde o diabólico garoto os espia ao transarem...






Em "The Wicker Man" (O Homem de Palha, 1973) de Robin Hardy, com Christopher Lee e Ingrid Pitt, Britt vive a jovem Willow. Na clássica trama de terror e suspense, um policial investiga o desaparecimento de uma jovem em uma pequena ilha da Escócia.




 Todos os habitantes locais estão envolvidos em um antigo culto pagão e Willow tenta seduzir o honesto e religioso sargento Howie (Edward Woodward) cantando e dançando nua.



Bela e sedutora, Britt seria escalada para viver Mary Goodnight, a sexy e estabanada agente secreta/Bond Girl em "The Man With the Golden Gun" (007 Contra o Homem da Pistola de Ouro, 1974) de Guy Hamilton, com Roger Moore (em seu segundo filme como James Bond) e Christopher Lee (o vilão Scaramanga).



 Britt também se interessou por música e Rock, de todas as formas...Em 1973 ela teve um filho com o produtor musical Lou Adler; em 1975 começou um namoro muito divulgado com o Pop Star Rod Stewart e mais tarde namorou, casou e se separou de Phil Lewis (L.A. Guns) e Jim McDowell (Stray Cats)...Ah, sim! Em 1979 ela se lançou como vocalista, lançando seu único disco.



Voltando a sua carreira como atriz, participou de umepisódio duplo da série de TV "Galática-Astronave de Combate" (1978) e da aventura fantástica "King Solomon's Treasure" (1979) de Alvin Rakoff com David McCallum e Patrick McNee. Nesta versão Trash da obra de H. Ridder Haggard, Ekland é a rainha Nyleptha, que preside uma cidade perdida em meio a nativos africanos, vulcões e dinossauros (fakes, muito fakes!).




Falando em Trash, Britt participou de um dos episódios da comédia de terror e musical "The Monster Club" (O Clube dos Monstros, 1980) de Roy Ward Baker com Vincent Price e John Carradine. Ela atua no segundo segmento, que envolve um vampiro (Richard Johnson) e um policial (Donald Pleasence). Tentativa frustada de misturar contos do escritor R. Chetwind-Hayes com humor, monstros vagabundos e péssimos números musicais. Assim mesmo...é divertido!
  

                                                       Britt, o vampiro e o policial...

No terror erótico "Satan's Mistress" (Demon Rage, 1982) de James Polakof, Britt vive a médium Ann-Marie, que ajuda sua amiga Lisa (a peituda Lana Wood, irmã menos conhecida de Natalie Wood) que está envolvida com homem alto, negro e forte...e que na verdade é um fantasma tarado!




















Britt continuou aparecendo em séries de TV, comédias e também em filmes de erotismo soft e no teatro. Em 1989 apareceu como a cafetina-vampira Madame Cassandra na comédia de terror "Beverly Hills Vamp" (A Vampira de Beverly Hills) de Fred Olen Ray, com Michelle Bauer, Debra Lamb e o insuportável comediante Eddie Deezen.








No final dos anos 90, Britt recebeu o diagnóstico de que estava com Osteoporose e se afastou do trabalho para um longo tratamento. Mas ela voltou a trabalhar ocasionalmente na TV em participações especiais.







                                                                                                                                    by Coffin Souza
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...